Sergio Fingermann é artista plástico. Atualmente é membro do Conselho de Orientação Artística da Pinacoteca do Estado de São Paulo e professor do curso de Design Gráfico da EBAC (Escola Britânica de Artes Criativas). Tem participado de inúmeras exposições coletivas (nacionais e internacionais), dentre as quais, destacam-se Bienal Internacional de Gravura, Ljubliana, Iugoslávia (1981), Bienal de Artes Gráficas, Bradford, Inglaterra (1982), Bienal Ibero-Americana do México (1982), Impact Art Festival, Museu de Arte de Kyoto, Japão (1982-83), Bienal Internacional de Gravura, Cracóvia, Polônia (1984), I Bienal de Cuba (1984), Bienal de Artes Gráficas, Bradford, Inglaterra (1986), Bienal de San Juan, Porto Rico (1986), Gravura Brasileira, Grand Palais, França (1987), Gráfica Brasiliana, Galeria Segno Gráfico, Veneza, Itália (1988), Impact Art Festival, Museu de Arte de Kyoto, Japão (1989), Arte Contemporânea Brasil-Japão, Museu Central de Tóquio (1990), Bienal de Pintura, Cuenca, Equador (1991), Bienal de Cuba (artista convidado, 1991), Bienal do Mercosul, RS (2001), Casa de Cultura Judaica, SP (2004), ARCO, Madrid, Espanha (2008), Pinta, Nova York, EUA (2009), ARCO, Madri,  Espanha (2012), SP Arte, São Paulo, Brasil (2012), Arterio, Rio de Janeiro, Brasil (2012), Gravura Expandida, Pinacoteca de São Paulo, Brasil (2012), Artistas brasileiros na Itália, MNBA, RJ, Brasil (2012), SP Arte, São Paulo, SP, Brasil (2013).

 

Dominique Touchon Fingermann  é graduada em psicologia pela Universidade Paul Valéry, em Montpellier, com especialização em Psicopatologia Clínica na Universidade de Aix Marseille. Radicada no Brasil desde 1983, iniciou sua formação analítica na França e pratica a psicanálise em São Paulo.

Desde 1989, participa ativamente da implantação da psicanálise de orientação lacaniana, e em 1998 foi membro fundadora do movimento dos Fóruns do Campo Lacaniano no Brasil. Publica regularmente artigos em periódicos e revistas nacionais e internacionais, sendo coautora, com Mauro Mendes Dias, de Por causa do pior (Illuminuras, 2005), organizadora de Os paradoxos da repetição (Annablume, 2014) e autora de A (de)formação do psicanalista (Escuta, 2016).

 

 

 

Mathias Fingermann é educador e cicloativista.

Formado em Letras Francês e Português pela PUC-SP.

 

 

 

 

 

 

 

 

Elisa Fingermann é artista, produtora independente e pesquisadora.

Formada pela PUC-SP em Comunicação das Artes do Corpo assim como em Teatro Físico e Criação coletiva na LISPA (Londres), Direção teatral na EMAD (Buenos Aires),  interpretação no Célia Helena, entre outros em São Paulo e Buenos Aires. É co-fundadora do Contraponto assim como da Cia Contraponto em 2012 e do Formigueiro em 2014, com o qual pesquisa produção cultural independente.

Atualmente é mestranda em Comunicação e Semiótica pela PUC-SP e cuida da programação do Contraponto.

 

 

Paulinho Faria é ator, diretor, dramaturgo e preparador corporal. 

Formado pelo centro de pesquisa teatral (CPT), coordenado e dirigido por Antunes Filho no SESC Anchieta-SP e também pela faculdade de Educação Física da UNIMEP, onde iniciou uma intensa pesquisa sobre o trabalho de corpo e interpretação para o ator, que mais tarde veio a denominar de “O Ator Sugestivo.”

 Frequentou também aulas do curso de Artes Cênicas da UNICAMP como aluno ouvinte e participou de oficinas e workshops sobre preparação do ator e diretor, com grandes atores e diretores, dentre eles, o ator japonês Yoshi Oida da Cia Internacional do teatrólogo inglês Peter Brook, as atrizes Eve Doe Bruce, Juliana Carneiro da Cunha e Fabiana Melo do Théâtre du Soleil, Francisco Medeiros, Celso Nunes e outros.

 

Cícero Oliveira é graduado (2005) e licenciado (2007) em Letras Modernas (Francês/Português) pela Universidade de São Paulo, é mestre em Língua e Literatura Francesas pela Universidade de São Paulo (2011). Tradutor, tem experiência na área de Letras, com ênfase em Língua e Literatura Francesas.