Artes Plásticas | Exposição

CONTOS AFRICANOS, exposição de Lena Bergstein

Contos Africanos é o nome que batiza a exposição que Lena Bergstein inaugura no dia 6 de abril no espaço Contraponto, na Vila Madalena, apresentando 25 pinturas. Lançando mão da técnica da oxidação, trabalhando as telas como grandes têxteis, tessituras trabalhadas com costuras, nós e alinhavos, a artista plástica apresenta seu trabalho em São Paulo, depois de muitos anos longe do público paulista. As telas são trabalhadas com oxidações, oxidações de folhas de ouro e cobre. A oxidação desfaz as folhas de metal, rasga suas bordas e margens, se fragmenta, deixa na superfície da tela um quase-nada trabalhado. Ao se recomeçar tudo de novo, a superfície vai se adensando, cores e marcas vão se somando, como se essa tela já viesse marcada por histórias, já fosse um arquivo de inscrições e de traços. Um desejo de estender a obra para um tempo anterior ao tempo do pintar propriamente dito, ao tempo da memória. As palavras e textos, agora ausentes, sempre foram elementos presentes na obra de Lena Bergstein, que viveu uma temporada em Paris. Desde 1989, a artista vinha se debruçando sobre escritos do filósofo francês Jacques Derrida, fazendo leituras poéticas e plásticas de seu pensamento. Essa relação ficou evidente na instalação Tenda, montada no Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro em 1992. Por curiosidade e admiração, Lena começou a acompanhar a trajetória do filósofo, desenvolvendo trabalhos a partir das falas de Derrida colhidas em seminários em Paris. A relação entre os dois foi se estreitando.